Comprar roupa é uma das atividades em que somos mais impulsivos. A pressão para acompanharmos as tendências e o surgimento contínuo de novas coleções faz com que estejamos constantemente a receber estímulos para adquirirmos as últimas novidades e descartarmos com relativa facilidade a roupa que ainda estava boa.

A juntar a esta pressão permanente, a roupa de baixa qualidade e os preços “apelativos” das empresas de fast fashion, tornaram a Indústria da Moda na segunda mais poluente do mundo (apenas ultrapassada pela indústria petrolífera!).

MAS… Já paraste para pensar nas consequências que isso traz? Tanto para o mundo como para nós próprios?

 

Tal como em tudo na vida, vai sempre haver quem prefira Quantidade e quem prefira Qualidade.

Apesar do consumismo desenfreado e a fome de ter mais e mais que as indústrias de fast fashion incutem na sociedade, há quem prefira adquirir menos produtos mas de excelente qualidade (é o nosso caso!)

Podem ser mais caros? Talvez um pouco… Mas vão durar muito mais tempo e em óptimas condições (sabes, com aquele aspeto distinto e arrojado).

Se formos analisar bem, talvez tenhamos estado a pensar de forma errada todo este tempo…

Olha vê,

Se dividires o investimento inicial pelo número de anos que a peça te vai durar (em bom estado, claro) percebes que afinal não foi assim tão cara e até conseguiste poupar alguns euros (por vezes centenas!).

 

Acho que o famoso ditado “O barato sai caro!” aplica-se aqui na perfeição!

 

Ah, e sabias que quanto mais roupas tens, mas vais ter aquela sensação tão desagradável de “não tenho nada para vestir”?

 

Aposto que agora te estás a perguntar como é que consegues construir um guarda-roupa “menos é mais”.

Acertei?

 

O truque é apostares em peças-chave, com excelentes acabamentos e que possam passar de estação em estação (por vezes até de geração em geração!) sem nunca ficarem démodé!

Investe nos famosos clássicos e preferencialmente em tons mais neutros – isto permite-te criar inúmeros looks com a mesma peça.

Podes também fazer uma lista de roupas que precisas de comprar, vender ou doar – para cada parte de baixo deves ter, em média, cinco partes de cima.

 

Ah, antes que me esqueça!

Uma peça de qualidade não tem necessariamente que ser sinónimo de marca de luxo ou gastar “rios de dinheiro”.

Hoje em dia, já tens imensos outlets ou lojas em segunda mão que vendem peças incríveis a preços mais acessíveis!

 

E tu, o que é que prefere? Qualidade ou quantidade?

Deixe uma resposta

×

Olá!

× Em que podemos ajudar?